Depen/MJ em crise, 3º suicídio em 15 dias: Policial penal federal mata esposa grávida e se suicida


Uma advogada de 33 anos foi morta em casa na tarde desta segunda-feira (02), no bairro Aclimação, em Cascavel, no oeste do Paraná. O policial penal federal Robson Fachini,  foi também Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária(AEVP) no estado de São Paulo e foi lotado na Penitenciária de Paraguaçu Paulista.


Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa (PR)


Segundo a Polícia Militar (PM), a vítima Vanessa Postal estava grávida de três meses e apresentava marcas de tiros. O marido dela, o policial penal federal Robson Fachini, de 39 anos, também foi encontrado sem vida ao lado da mulher.


A suspeita é de feminicídio seguido de suicídio praticado pelo agente, aponta a investigação inicial da Polícia Civil.


Robson era ainda professor de direito em um cursinho preparatório e digital influencer na área de concursos públicos, com mais de 24 mil seguidores somados em suas páginas no Instagram e Facebook. 


O caso chegou à PM após a família de Vanessa notar que ela não atendia as ligações nem respondia mensagens no celular. Os parentes teriam acionado uma viatura para tentar entrarem na casa.


Ao chegarem ao local, os vizinhos também teriam relatado discussões na manhã de hoje. Os policiais entraram no imóvel após ninguém responder os chamados e notarem marcas aparentemente de sangue embaixo da porta. Os corpos estavam um ao lado do outro. A perícia ainda encontrou vários objetos revirados no imóvel.


De acordo com a PM, uma pistola calibre 40 estava na posse de Robson. Ela seria registrada como propriedade do Departamento Penitenciário Federal (Depen). O policial penal era lotado na Penitenciária Federal de Catanduvas, a 55 quilômetros de Cascavel. Ele estava no cargo desde 2009, apurou a Polícia Civil.




Vídeo da CGN

"[Era] uma cena grave. Preliminarmente, tudo indica que o autor teria desferido um tiro, praticado um feminicídio e posteriormente se suicidado. Já era uma relação conturbada. Não temos como precisar os motivos para as brigas. A delegacia ainda vai ouvir familiares próximos para poder estabelecer a dinâmica que acabou neste desfecho", comentou o delegado à imprensa, na frente da residência do casal.


Vanessa e Robson deixam uma filha cada. Ambas são crianças de outros relacionamentos, de acordo com a Polícia Civil. 


O UOL ainda não conseguiu contato com as famílias dos envolvidos. 

Amigos lamentam mortes A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Cascavel emitiu nota lamentando o ocorrido. A entidade diz que Vanessa deixa "um legado exemplar entre colegas, amigos e familiares" 


Amigos do casal também lamentaram as mortes nas redes sociais. "Eu sinto muito pela maneira trágica e cruel que você deixou este mundo. Que o Senhor console sua mãe, sua princesa e dê a paz que elas e todos seus amigos e familiares precisam nesse momento. Vou ficar com aquela sua gargalhada gostosa na memória", homenageou uma amiga de Vanessa.


"Uma grande tragédia se abateu sobre nós hoje, nosso irmão, policial penal federal e professor Robson Fachini e a esposa foram encontrados mortos em casa. Estamos aguardando as conclusões. Arrasado!", escreveu outro amigo do suspeito.



Três casos de suicídios no Depen/MJ, em 15 dias


Este é o 3º caso de suicídio de servidores policiais penais do Departamento Penitenciário Federal em 15 dias. 



O 1° caso foi na cidade de Campo Grande/MS

Identificado como sendo Afrânio Mendes Bueno Júnior [oriundo do concurso de 2009], cujo ingresso se deu no cargo de Agente Federal de Execução Penal morreu vítima de disparo de arma de fogo, possivelmente por suicídio, na noite dessa sexta-feira (16/10), no interior de sua residência na cidade de Campo Grande -MS.


O fato lamentável ocorreu por voltas das 23 horas quando a Polícia Militar foi acionada por moradores que residem próximo à residência do policial penal federal.


O Serviço de primeiros socorros da capital de Mato Grosso do Sul chegou a ser acionado, entretanto, não houve mais como socorrê-lo, pois as informações dão conta que ele (o policial penal) teve morte instantânea, por tirar sua própria vida com um disparo fatal.




2º caso ocorreu na cidade do Rio de Janeiro/RJ


Importante ressaltar que neste caso o policial penal Alexandre Constantin Mavropoulos fora aposentado, há pouco mais de 01 mês, e por motivos ainda desconhecidos veio a tirar a própria vida. Servidores do Depen/MJ estão apreensivos, desmotivados e preocupados com o andamento do descaso da direção pelo abandono de seus policiais penais.


E ontem, 02/11, mais esta trágica ocorrência que também vitimou mais duas pessoas alheias ao próprio Depen/MJ, a esposa do policial penal e o "nascituro", pois sua esposa encontrava-se em estado de gravidez e por fim o próprio policial penal.  


Vários fatores podem estar influenciando o estado emocional dos policiais penais, entre os quais citamos a desvalorização dos mesmos, a falta de isonomia com os demais Órgãos, como a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal, que além de receberem abono de salarial de 1.800,00 em 2017, também tiveram reajustes salariais nos anos de 2018, 2019 e 2020.


Mas que, em contrapartida os servidores do Depen desde o ano de 2016 estão abandonados a própria sorte, vendo seus salários minguarem e sendo levados a um estado de miserabilidade assustadora, tendo que tirar filhos de colégios, cancelando planos de saúde que já não se enquadram nos parcos orçamentos e perdendo o seu padrão de vida, tendo que em alguns casos inclusive, optarem forçosamente a mudar para imóveis mais baratos e em áreas urbanas perigosas. 




E segundo relatos são vítimas constantes de Assédio Moral e são lembrados apenas para responderem a Sindicâncias e Processos Disciplinares. Sem contar a insatisfação profissional de não terem um profissional na liderança da Corporação, que tem sempre em sua Direção apenas alienígenas (Delegados de Polícia Federal) que desconhecem as engrenagens do Sistema Penitenciário Federal, e que tem por consequência o desinteresse nos problemas que afligem os profissionais e estão ali apenas para embolsar gordos pró-labores.


Também foram esquecidos na regulamentação da Policia Penal Federal, que seria apenas uma adequação a Constituição Federal, assim como alguns estados brasileiros, tais como, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul e outros que infelizmente estão sendo assediados violentamente por empresários da iniciativa privada, ávidos em se apoderar do controle dos sistemas penitenciários, não apenas federal, mas também dos estados.


E isso é feito por meio de políticos com fichas pouco recomendáveis e que têm o único intuito de pagarem dividas eleitorais ou ainda financiamento de campanha políticas futuras, haja visto, o setor além de ter se tornado área de abrangência exclusiva do Poder Público, também ter tornado a profissão de Policial Penal, carreira típica de estado.


Fonte: UOL/Leandro Leandro



528 visualizações0 comentário