PF, PRF e Depen ficarão sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça





Polícias da União estarão sob os cuidados de André Mendonça, que chefiará a pasta. Futuro Ministério da Segurança Pública vai cuidar da coordenação e integração das polícias estaduais, militares e das guardas municipais


A Polícia Federal (PF) vai ficar sob a alçada do Ministério da Justiça quando o Ministério da Segurança Pública for criado. Além da corporação, também estará aos cuidados da pasta a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Um dos motivos para não tirar a PF, PRF e Depen do Ministério da Justiça é, também, político. O governo quer evitar ilações e suspeitas da oposição. “Se tira a Polícia Federal da Justiça, vão dizer que ele está querendo mexer, interferir, tirar a PF, e não é verdade. Ficarão lá têm viés mais de uma polícia de inteligência”, afirma o deputado federal Sanderson (PSL-RS), vice-líder do governo na Câmara e coordenador do Rio Grande do Sul da bancada da segurança pública.


O desmembramento do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em duas pastas está sob os cuidados do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira. Na quinta-feira, 4, ele recebeu integrantes da bancada da segurança pública para debater a composição de cada ministério.

O Ministério da Justiça será chefiado pelo atual titular do MJSP, André Mendonça. O ministro ficará encarregado de chefiar a PF, PRF e Depen. A pasta também ficará com algumas estruturas atualmente existentes, como as secretarias nacionais do Consumidor (Senacon), de Políticas sobre Drogas (Senad) e de Justiça (Senajus).

Integração

Não se sabe ainda quem ficará com o comando do Ministério da Segurança Pública e nem quando será criado. Mas ele será criado a partir da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), que será elevado a nível de ministério. Outra estrutura que será integrada é a Secretaria Nacional de Operações Integradas (Seopi).

O Ministério da Segurança Pública será encarregado de coordenar e integrar as polícias militares e civil. “A pasta viria para uniformizar recrutamento, formação policial, uniformizar corregedorias, sistemas de informação e integração, logística e, lá na frente, buscar unificar remuneração de policiais”, destaca Sanderson.

Esboço

O parlamentar participou da reunião com Oliveira e assegura que, diferentemente do que é aventado no Parlamento, não há um nome mais cotado do que o outro para assumir o futuro ministério. “Conversei com o ministro e o presidente [Bolsonaro] e não há nenhum nome confirmado. Mas será um policial. Não vai ser um juiz, promotor ou advogado”, destaca.


Na reunião de quinta, Sanderson, o presidente da bancada da bala, Capitão Augusto (PL-SP), outros coordenadores e Oliveira passaram cerca de três horas esboçando o futuro dos ministérios da Justiça e da Segurança Pública. “Desenhamos vários modelos fazendo tipo um jogo de xadrez. Fazendo isso, quais seriam os resultados, fazendo aquilo, quais seriam os desdobramentos”, explica.


fonte: https://revistaoeste.com/pf-prf-e-depen-ficarao-sob-o-guarda-chuva-do-ministerio-da-justica/

47 visualizações0 comentário